16 de abr de 2009

Demjanjuk

Um caso tem tem ganho alguma atenção na imprensa internacional é o de John Demjanjuk, que é nascido na Ucrânia e trabalhou em campos de concentração na 2a Guerra enquanto era prisioneiro de guerra. Ele é identificado como sendo o tal "Ivan o Terrível", que é um conhecido guarda do campo de Tremblinka.

O blog Cyber Cossack tem acompanhado o caso e apontado que ele já havia sido absolvido em Israel e agora é julgado nos EUA com as mesmas evidências que, segundo o blog aponta, foram consideradas inválidas.

Não sei da inocência do Sr. Demjanjuk, mas acho o caso interessante para ilustrar a situação de muitos ucranianos que foram feitos prisioneiros de guerra durante o início da Operação Barbarossa e que, por terem experiência com armas, trabalharam como guardas nos campos de concentração. Quando a guerra acabou eles eram inimigos dos dois "lados" do conflito.

Atualização: não deixe de ler o comentário de JNW a respeito.

Um comentário:

  1. Bohdan,

    Caso do Ivan Damjanjuk é muito mais complicado do que estas a sugerir.

    1. Ele foi extraditado dos EUA (era cidadão dos EUA) em 1986 para Israel, com acusação de ser o guarda conhecido como Ivan “Grozni” em Treblinka.
    2. As crianças israelitas eram levados para ver Demjanjuk encarcerado dentro duma jaula, escrevendo depois na escola as criações literárias intituladas: “Eu vi o animal nazi”.
    3. NUNCA foi provado que Demjanjuk era o tal Ivan “Grozni”, mesmo assim ele vive nos EUA sem receber a sua reforma, pela qual trabalhou toda a sua vida. Retiraram a sua cidadania americana, alegando que ele mentiu sobre o trabalho nos campos de concentração e sobre a sua verdadeira identidade (Demjanjuk é um apelido que ele adoptou para não ser perseguido pelos soviéticos).
    4. Os que conhecem a verdadeira dimensão das coisas, dizem que caso Demjanjuk era desencadeado para silenciar a Diáspora ucraniana nos EUA, pois ideia era: “calem-se, senão vamos encontrar coisas feias sobre as vossas famílias”. Para que a diáspora nos EUA não fique muito participativa no processo da independência da Ucrânia.
    5. Algo deu para o torto, eu escrevi sobre o caso num jornal na Ucrânia ainda em 1993, acredito que o falhanço do caso Demjanjuk salvou centenas de outros ucranianos de perseguição.
    6. Se um judeu colaborou com os nazis para sobreviver é o direito dele, ninguém questiona e um ucraniano não pode querer sobreviver?

    ResponderExcluir