28 de fev de 2009

Resumo de notícias da Ucrânia: 24 de fev

Eis que apartir de agora vou traduzir os News Roundup que são publicados pelo Ukrainian Canadian. Acredito que esse tipo de resumão das notícias da Ucrânia ainda não está disponível em Português (pelo menos na internet). Como a maioria das reportagens referenciadas estão em inglês, vou adicionar algumas notas clarificando aonde parecer adequado ou até trocar os links por publicações equivalentes em português; todavia recomendo para quem não entende inglês que use um tradutor eletrônico, como o Google Translator.

Também, o jeito das traduções vai ficar um pouco plastificado, pois não tenho vocação ou experiência de tradutor.

Além desse News Roundup, recomendo ler também o ePoshta, que é um período entregue por e-mail com notícias daUcrânia e das comunidades ucranianas nos EUA e no Canadá. As notícias são em inglês e ucraniano. Para receber as notícias é só acessar o site e cadastrar seu e-mail.

Lá vai:

América do Norte

  • O que acontece quando o jornal Washington Times usa um jornalista freelance pró-Soviete para escrever a respeito da Criméia? Você acaba tendo uma carta-resposta do Embaixador da Ucrânia.
  • O Prof. John-Paul Himka, do departamento de história e filologia clássica que especializou-se no Holodomor, deu uma visão negativa a respeito dos eforços canadenses de tentar ajudar a prevenir fomes, e não lhe faltam histórias para provar seus argumentos. Ele tem um especial interesse em como governos usam alimentos como uma ferramenta política para pressionar civis e enfraquecer inimigos políticos. "O bloqueio em torno de Gaza trata de recursos, assim como muitos dos conflitos políticos no mundo agora."
  • Segundo o conselheiro de política externa de Obama,  Zbigniew Brzezinski: "Nós devemos trabalhar de tal maneira que Geórgia e Ucrânia e Azerbaijão não tornem-se vítimas do diálogo entre EUA e Rússia. Se sacrificarmos essas repúblicas, a integração da Rússia no mundo vai ficar mais lenta."

Europa e África

Política

  • Oficiais ucranianos afirmam que a Rússia está rapidamente distribuindo passaportes na península da Criméia. Muitos influentes políticos russos acreditam que a decisão de Krushchov foi ilegal e a Rússia tem o dever de retomar posse da Criméia. Estima-se que em torno de 200,000 pessoas, ou aproximadamente um em cada dez habitantes, tem uma dupla cidadania russo-ucraniana, mesmo isso sendo proíbido por lei. "[A Rússia está] tendando fazer o mesmo que fizeram na Abecásia e na Ossétia do Sul: estabeler fundamentos legais, pelo menos no sistema legal da Rússia, para intervenção, seja essa política, militar ou econômica".
  • Um oficial da inteligência ucraniana afirmou que uma parte significante dos arquivos secretos do país poderiam tornar-se públicos. Porém, a Ucrânia nunca passou por um processo de "lustração", ou de retirada dos oficiais que colaboraram com serviços de inteligência durante o período soviético, que fizeram uma suave transição do período soviético para a Ucrânia indepentente continuando no poder. Quanto dos arquivos secretos da antiga KGB ainda estão na Ucrânia ainda é dúvida.
  • Houve uma explosão de acessos e comentários a um blog que comentou como é um "russófono (???) ucraniano nacionalista".
  • Ministros do exterior da União Européia consideraram no último dia 23 intensificar os auxílios econômicos e outras ajudas à Ucrânia e quatro outras ex-repúblicas soviéticas para tentar conter a contínua influência de Moscou. A proposta parceria não inclui o ingresso à UE, que é algo que em particular a Ucrânia gostaria. Espera-se que o plano seja formalmente aprovado em um encontro entre os 27 líderes da UE, que ocorrerá na metade de março.

Economia

  • A Hryvnia despencou, fechando com uma baixa recorde em comparação ao dólar. A moeda perdeu mais de 50% do seu valor em comparação do dólar nos últimos seis meses com a demanda por exportação reduzida e a crise do crédito. Foi a primeira queda de crescimento da Ucrânia em uma década.
  • O FMI afirmou que não há risco de moratória dos países da Europa oriental e da Europa central, que foram os mais atingidos pela crise financeira internacional. "Moratória é bem improvável para a Ucrânia. É bem provável que a Ucrânia supere essa crise, já que ela deu os passos certos logo no começo". Seriam os temores da crise exagerados?
  • A companhia estatal ucraniana Naftohaz está alertando que poderá novamente não pagar pela importação de gás russo, em razão do que ela chama de "catastróficos" efeitos da crise financeira internacional. Oficiais afirmaram que esse aviso foi destinado para a coleta de centenas de milhões de dólares que companhias regionais de gás ucranianas devem.

Outras notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário